União da Ilha do Governador levou à avenida enredo afro e contou as relações do tempo com o universo desde o princípio do mundo

A União da Ilha do Governador foi a primeira escola da última noite do Grupo Especial do carnaval carioca a entrar na Sapucaí. Trazendo o enredo "Nzara Ndembu - Glória ao Senhor Tempo", a agremiação contou com a presença de Natália Norbert, musa da escola desde pequena, além de Tânia Oliveira, que é rainha da bateria.

Leia também: Desfiles no Rio: 2ª noite tem Mangueira buscando e bi e promessa de muito luxo

A rainha de bateria da União da Ilha do Governador, Tânia Oliveira
Gabriel Monteiro | Riotur
A rainha de bateria da União da Ilha do Governador, Tânia Oliveira



O enredo afro da União da Ilha do Governador, "Nzara Ndembu - Glória ao Senhor Tempo", do carnavalesco Severo Luzardo, contou as relações do tempo com o universo desde o princípio, além de fazer uma reflexão poética sobre a relação da humanidade com o passado, o presente e o futuro e com a mística africana.

A história contada foi conduzida por Kitembo, rei de Angola, que é o inquice mágico do tempo. Passeou pelos elementos da natureza, água, fogo, terra e ar, junto com outros inquices que modificam a vida dos homens, mostrando que o tempo tem a nos ensinar sobre a preservação da natureza.

Leia também: Carnaval: veja musas e famosas que brilharam no terceiro dia de desfiles

Nas 31 alas, foram mostradas as tradições, lendas, mitos e deuses do "grande criador do universo", Nzambi Mpungu. De acordo com a lenda, ele convocou Kitembo e o transformou no senhor do tempo cronológico e mítico.

Comissão de frente da União da Ilha mostrou começo de tudo
Fernando Grilli | Riotur
Comissão de frente da União da Ilha mostrou começo de tudo

A comissão de frente mostrou os guerreiros e guardiões da África em um ritual místico responsável pela criação de todo o universo e foi puxado por Carlinhos de Jesus. Focou também nos ancestrais africanos e de temas como a Pangeia, a grande massa que agrupava os atuais continentes. O abre-alas mostrou um "Templo da criação", decorado por elementos que lembravam o marfim dos elefantes.

Leia também: De polêmica à rainha na Sapucaí: 4 vezes que Sabrina Sato foi destaque na folia

O segundo carro mostrou uma "Nova Era na Terra" e continuou com os tons de dourado. O terceiro, dedicado à Kukuana, uma festa com danças, rezas e comidas para curar as pessoas de doenças. O quarto falou sobre o "esplendor aquático" com tons de neon na avenida.

Problemas

Já o quinto carro, "O Fogo de Uiangongo", que representou as divindades do fogo, demorou para entrar na avenida por conta de problemas mecânicos, o que pode fazer a escola perder pontos no quesito evolução. Para tentar evitar isso, muitos componentes correram para não ter buraco na avenida, mas não foi possível. Na disperção, o carro travou novamente, mas em uma área que não tem jurados. A escola encerrou o desfile no limite do tempo, com 75 minutos.

União da Ilha do Governador abriu segunda noite de desfiles no Rio com enredo afro
Fernando Grilli | Riotur
União da Ilha do Governador abriu segunda noite de desfiles no Rio com enredo afro

Com as cores azul, vermelho e branco, a escola coloca 3.400 componentes na Marquês de Sapucaí, além de 31 alas e seis alegorias. A comissão de frente ficou por conta do bailarino Carlinhos de Jesus, enquanto  Phelipe Lemos e Dandara brilharam como mestre-sala e porta-bandeira.  A bateria foi regida sob o comando de Ciça, e a rainha foi Tânia de Oliveira. Ainda buscando o primeiro título do Grupo Especial carioca, a União da Ilha ficou em penúltimo lugar no ano passado. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.