Com o enredo "Onisuáquimalipanse" – que remete a uma expressão francesa – a São Clemente contou uma história luxuoso, vivida em um reino distante

A São Clemente, segunda escola a brilhar na Marquês de Sapucaí na noite desta segunda-feira (27), atravessou a avenida com o enredo "Onisuáquimalipanse", criado pela carnavalesca Rosa Magalhães. Embora pareça um trava-língua, essa palavra remete a "honi soit qui mal y pense", uma terminologia francesa que significa "envergonhe-se quem pensar mal disso".

 Leia também: Desfiles no Rio: 2ª noite tem Mangueira buscando e bi e promessa de muito luxo

Enredo da São Clemente fala sobre a cultura francesa
Divulgação/Riotur
Enredo da São Clemente fala sobre a cultura francesa

Traduzindo, a escola carioca trouxe temáticas francesas sob aspectos culturais, políticos e paisagísticos. O enredo da São Clemente  contou a história de um príncipe, que morava em um reino muito distante. Ainda muito jovem, ele foi coroado rei, na ocasião da morte de seu pai.

Segundo a história, o rei – que era Luis XIV, o rei Sol – aproveitou muito da sua juventude, saindo para dançar todas as noites. Casou-se com uma princesa e nomeou um ministro, que desviou as verbas do reino e construiu seu palácio. Furioso, o rei mandou que construíssem um lugar ainda maior e mais bonito – o Palácio de Versalles.

       Leia também: Carnaval: veja musas e famosas que brilharam no terceiro dia de desfiles

Na avenida, a São Clemente contou tal história com muita leveza e alegria. Em um desfile tranquilo, sem nenhum grande imprevisto, susto ou atraso, a agremiação encerrou o desfile dentro do tempo estimado, garantindo seu lugar na disputa pelo título do carnaval de 2017.

Comissão de frente contou a história da coroação do rei Sol na França
Divulgação/Riotur
Comissão de frente contou a história da coroação do rei Sol na França

Em suas alas, a escola trouxe os detalhes luxuosos dos dois palácios e itens que faziam parte da vida da nobreza francesa. Entre jardins, chafarizes e banquetes, a escola abordou do mais íntimo da nobreza ao item mais ligado à ostentação francesa.

Com quase todos os integrantes da escola usando perucas típicas da realeza, no entanto, a escola conseguiu narrar os episódios históricos com uma pitada carnavalesca: muitas das perucas eram coloridas e inusitadas.

Destaques da escola

Um dos destaques da escola foi a comissão de frente, que mostrou a coroação do rei Sol. A coreografia e a direção da comissão ficou por conta de Sérgio Lobato.

Rainha de bateria da São Clemente não sofreu nenhum grande susto no desfile da noite desta segunda-feira
Divulgação/Riotur
Rainha de bateria da São Clemente não sofreu nenhum grande susto no desfile da noite desta segunda-feira

Outro ponto interessante da escola é Leozinho Nunes, 28 anos, um dos mais novos puxadores oficiais do carnaval. Gago, ele canta em 2017 pela segunda vez para a escola como oficial. Apesar da história na agremiação, ele é cria da Mocidade Independente de Padre Miguel, outra escola carioca.

       Leia também: Com enredo afro, União da Ilha conta relação do tempo com o universo

A São Clemente veio para a avenida do samba com 3.200 componentes neste ano, com as cores tradicionais da agremiação (amarelo e preto). Fabrício e Denadir foram o casal de mestre-sala e porta-bandeira, enquanto Raphaela Gomes – que caiu em plena avenida no ano passado –brilhou como rainha de bateria, sem nenhum imprevisto neste ano.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.