ver novamente

Unidos da Tijuca

Unidos da Tijuca
  • Nome
    GRES Unidos da Tijuca
  • Fundação
    31/12/1931
  • Posição em 2014
    Campeã
  • Enredo
    “Um Conto Marcado no Tempo - O Olhar Suíço de Clóvis Bornay”
  • Carnavalesco
    Paulo Barros
  • Intéprete
    Tinga
  • Cores Oficiais
    Amarelo-ouro e azul-pavão
  • Mestre de Bateria
    Mestre Casagrande
  • Ordem do desfile
    Última escola a desfilar na segunda-feira, 16

Sobre a escola

História
A Unidos da Tijuca surgiu da fusão entre quatro blocos carnavalescos existentes em morros vizinhos no bairro da zona norte do Rio. Esses grupos eram liderados por famílias tradicionais da região. Criada em 1931, a Tijuca é a terceira escola de samba mais antiga da cidade, depois de Portela e Mangueira. As três agremiações, aliás, foram as únicas a participar de todos os desfiles. A escola venceu o carnaval de 1936 e depois enfrentou um período de dificuldades. Rebaixada em 1998, venceu o Grupo de Acesso em 1999 e, a partir daí, iniciou sua trajetória de superação. Em 2004, com a contratação do carnavalesco Paulo Barros  - reconhecidamente o mais inovador da atualidade –, a Tijuca passou a fazer muito sucesso, que culminou com o título de 2010 e o vice-campeonato de 2011, com o enredo “Esta Noite Levarei Sua Alma”. Em 2011, a escola vai homenagear o rei do baião, Luiz Gonzaga, com o enredo "O Dia em que Toda a Realeza Desembarcou na Avenida para Coroar o Rei Luiz do Sertão"

Carnaval! Eterna é a nossa união
Que bom voltar
Pra reviver essa emoção
Quem dera com o meu pai reencontrar
Tantas histórias encantadas
Se fez o sonho e não quero acordar
Seres alados, castelos erguidos
Sopro gigante, herói destemido
Nos montes de neve um anjo a proteger
Melhor amigo que o homem pode ter
Gira mundo no tempo, templo da invenção
Tudo cabe no bolso ou na palma da mão
O som da caixa, jóia de valor
Quem procura acha a senha do amor

Novo tempo
"Relativa idade" do conhecimento
Brilhante pensamento
Explica a vida em todas as dimensões
"Sábia mente", a hora voa com o viajante
Brilha o sol num instante
Aquecendo tantas gerações
Hoje eu vejo que o ontem 
É aprendizado para o amanhã
Suíça, em tua história a inspiração
Com teus sabores na avenida
Quebrando o gelo, lá vem o pavão

Deixa o dia clarear, Tijuca
Tá na hora a gente vai à luta
O relógio disparou, chegou gente bamba
É do Borel o Prêmio Nobel do samba

Juliana Alves

últimas notícias