Destaque da agremiação, musa é rainha da bateria da escola pelo segundo ano consecutivo

Com a saída de Lívia Andrade, Valeska Reis foi o grande destaque que a Império de Casa Verde levou ao Anhembi para fazer a "cura de todos os males". A escola fechou o carnaval 2013 de São Paulo às 7h de domingo (10). Pelo segundo ano consecutivo, Valeska Reis teve a missão de liderar a bateria da escola.

Exclusivo: Veja ensaio de Valeska Reis

Com seu enredo "Para todo mal há cura - quem canta seus males espanta", a Império de Casa Verde falou sobre as várias maneiras que temos de nos livrar de nossos males, sejam de amor, espirituais ou de saúde. Para isso, fez uma viagem no tempo e ao redor do mundo, abrindo o desfile com uma dança dos xamãs, os espíritos da natureza, interpretando uma cerimônia de cura.

A comissão de frente trouxe uma árvore da vida, com troncos retorcidos e uma abertura no centro, por onde uma dançarina entrou doente e saiu sã. A primeira ala veio com odaliscas fazendo a dança da fertilidade, e daí para frente a escola passeou pela evolução da medicina - começando pela Babilônia e indo até o Egito, onde os deuses cuidam de todos os aspectos de sua vida - e da vida depois da morte. A deusa Ísis é a protetora dos mortos, o deus Rá é o deus do sol, Osíris o deus da morte e da vida no além.

Talvez a melhor coisa do desfile tenha sido a fantasia de múmia dos integrantes da bateria, que, vestidos com uma roupa de látex, faziam referência à técnica egícpia de mumificar os corpos como forma de conservar os mortos. 

Do Egito o desfile foi ainda para os países orientais, fazendo referência a técnicas como acupuntura e o símbolo do equilíbrio ying-yang, passando pelos florais de Bach e pais e mães de santo. Por fim, uma ala lembrou que, em se tratando de saúde, o melhor é prevenir do que remediar. 

Saiba tudo sobre o carnaval de São Paulo

Veja o samba-enredo da Império de Casa Verde:

“Pra todo mal há cura... Quem canta seus males espanta!”
Compositores: Aldair, De Paula, Dney Sas, Romão, R. Silva e R. Ribeiro

Império é amor, paixão
A cura do corpo e do coração
Meu tigre guerreiro é raça e emoção
A força de uma nação
Brilhou o sol, iluminando um novo dia
A Casa Verde está em festa, num ritual de magia
Oh mãe natureza! Com suas riquezas
Emoldurada pelo Criador
Um lindo jardim se ergueu
A sabedoria enfim floresceu
Do Egito veio a medicina
A cura divina, vontade dos Deuses
Dos elementos, energia milenar
No oriente, o equilíbrio alcançar
Atoto Obaluaiê... Obaluaiê
Peço a sua proteção, eu peço axé
Curandeiro, sou a cura e a salvação
Canto meu destino em oração
Quero falar de amor
A saudade se foi, não vamos chorar
Uma terapia pra curar a dor
O nosso remédio é sambar
Aplausos a quem pela vida sempre lutou
E assim mostrou que a ciência é o caminho a seguir
Quem canta seus males espanta
A minha voz ninguém vai calar
Imperiano eu sou,
Não desisto de lutar!

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.