Wilsinho Alves herdou cargo do pai, condenado a 23 anos de prisão por contravenção, e comanda a escola com pulso firme. Na apuração, deu ordens, bênçãos e foi mimado com mesuras por assessores e puxa-sacos

Wilsinho (à direita) comemora com Sabrina Sato e a mulher, Gabriela, o título do Carnaval de 2013 da Vila Isabel
Photo Rio News
Wilsinho (à direita) comemora com Sabrina Sato e a mulher, Gabriela, o título do Carnaval de 2013 da Vila Isabel

"Manda o garoto parar de gritar, aí! Manda parar de gritar!", ordenou, com gritos, Wilsinho Alves, 28 anos, presidente da Unidos de Vila Isabel, campeã do Grupo Especial em 2013 . Ele falava com a mesa vizinha da escola na Marquês de Sapucaí, ainda no início da apuração, quando a agremiação já liderava a disputa. Queria evitar o "já-ganhou". Imediatamente, três assessores repetiram a ordem. "O presidente está mandando parar de gritar!"

Leia mais: Vila Isabel é campeã do carnaval 2013

Algum tempo depois, Wilsinho se levanta de novo de sua concentração, à espera dos resultados, e chama "Júlio". Todos ao redor se mobilizam e chamam Júlio, que recebe um aceno de confiança do presidente, à distância.

Leia mais: 'Não sou D.Corleone', diz Wilsinho, jovem presidente da campeã Vila Isabel

O jovem presidente da Vila herdou em 2011 o cargo do pai, Wilson Alves, o Moisés, contraventor condenado a 23 anos de prisão - pelos crimes de contrabando, formação de quadrilha e corrupção ativa, por participação na máfia de caça-níqueis. Moisés chegou a ficar preso em duas ocasiões - na última vez por 40 dias -, mas foi solto em maio de 2012 .

Pedido de bênção lembra o Poderoso Chefão

Wilsinho (camisa azul), antes do Carnaval com Sabrina Sato e os mestres Paulinho e Wallan
Divulgação
Wilsinho (camisa azul), antes do Carnaval com Sabrina Sato e os mestres Paulinho e Wallan

Sentado à mesa com grosso cordão de ouro, guias de religião afro-brasileira no pescoço - uma delas azul e branca, cores da agremiação -, relógio de marca e cara de garoto, Wilsinho é tratado pelos integrantes da escola como uma espécie de rei, ou um "poderoso chefão".

Tem direito até a beija-mão. Um homem negro, de chapéu e cerca de 45 anos, se aproxima por trás do jovem e clama por um segundo de atenção. "A bênção, meu presidente! A bênção!"

Atento ao anúncio das notas, que transfere para uma planilha de papel imediatamente, ele nem olha. As pernas balançam incessantemente, enquanto permanece tenso. Ao seu lado na mesa, sua mulher, Gabriela Medeiros Alves, a rainha de bateria, Sabrina Sato , e a mãe, "Dona Rita", responsável pelo ateliê de fantasias.

Quando a nota é dez, cerra o punho e vibra. Quando um jurado dá uma nota menor, porém, diz um xingamento, irritado. "Porra!" Alheia ao presidente, mas na mesma vibração, a torcida da Vila Isabel na arquibancada urra: "Uh, vai morrer! Uh, vai morrer!"

"Às ordens, presidente!"

Wilson Alves, o Moisés (à direita), ex-presidente e pai do atual, com Martinho da Vila e Marcos Vilaça
Divulgação
Wilson Alves, o Moisés (à direita), ex-presidente e pai do atual, com Martinho da Vila e Marcos Vilaça

O homem de chapéu fica parado atrás de Wilsinho e insiste. "Presidente, uma aguazinha para o senhor!" O jovem estica a mão para trás e recolhe a garrafa de plástico, sem olhar ou agradecer. "Às ordens, presidente!"

A situação na apuração piora, e aumenta a tensão à mesa da Vila Isabel. Wilsinho imita o gesto da "primeira-dama" - como diz sua credencial da Liesa - Gabriela, que segura as guias do pescoço nas mãos e reza, de olhos fechados.

Vem uma nota boa para a Unidos da Tijuca, adversária direta na disputa. "Vai tomar... Sacanagem! Pelo amor de Deus", berra o presidente, e joga a caneta sobre a mesa, com raiva. Põe a mão na testa, coça a cabeça. A mãe, D. Rita também reclama de um julgamento ruim. "Não sabe o que é samba-enredo... Bebe uma água, filho. Vai dar tudo certo", diz a ex-primeira-dama, ainda tratada pelo título por muitos. Logo vêm uma nota ruim para a escola rival e a vibração volta ao rapaz. "Vamos!" 

A primeira-dama atual, Gabriela, também tem direito a muito mimo. Uma assessora pede um guaraná apenas para pega o "suor" da lata gelada e pingar nas costas da moça, refrescando-a, no intenso calor na Marquês de Sapucaí.

Chega um balde de cerveja, e o homem de chapéu pede passagem para o garçom: "Licença!" Finalmente consegue um rápido cumprimento do presidente, que logo chama mais um integrante da escola que estava à distância: "Tinga!!!" Novamente, todo mundo ao redor repete. "Tinga! O presidente está te chamando!"

"O chefe é abençoado!"

Moisés, pai do presidente, ao lado da mulher, dona Rita. A família comanda a Vila
Divulgação
Moisés, pai do presidente, ao lado da mulher, dona Rita. A família comanda a Vila

Por fim, vem a última nota, a da consagração. O locutor Jorge Perlingeiro anuncia: "Unidos de Vila Isabel: Nota deeez!"

Wilsinho é abraçado longamente, primeiro pela mulher e pela mãe, depois por todos ao redor. Ele chora. Tem um olhar vazio, como se estivesse assimilando o seu primeiro título no comando. O pai, Moisés, vencera em 2006 - nos últimos quatro anos, foram três quartos lugares e um terceiro, em 2012.

Wilsinho sobe ao palco e recebe o troféu. Após alguns minutos de celebração, ele fala com o iG . Ao fim da entrevista, o homem de chapéu diz: "O chefe é abençoado! Escreve aí embaixo!"

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.