Portela celebra povos e histórias que surgiram às margens de rios; desfile teve a responsabilidade de limpar a avenida de toda a "maré ruim" da noite

"Tristeza foi embora, a correnteza levou", cantou a Portela na avenida, na madrugada desta terça-feira (28). E não é que eles estavam certos? Depois do desfile da Unidos da Tijuca , que contou com um triste acidente, a penúltima escola do Grupo Especial do Rio de Janeiro veio mesmo para "lavar a alma" da Sapucaí e dar um chega pra lá em toda a "maré ruim" que vinha tomando a avenida.

       Leia também: Com Aladdin voador, Mocidade leva lenda das 'Mil e Uma Noites' para a avenida

Portela vai mostrar qual foi o
Reprodução/TV Globo
Portela vai mostrar qual foi o "rio que passou em sua vida" na avenida



O enredo escolhido pela Portela para o carnaval deste ano contou e celebrou as histórias, lendas e os povos que surgiram às margens dos rios de água doce ao longo da história da humanidade.

Baseado no clássico samba "“Foi um rio que passou em minha vida”, de Paulinho da Viola, o carnavalesco Paulo Barros criou um enredo que transformou a avenida em um imenso rio.

O enredo da escola fez um mergulho poético, que alegrou e emocionou a multidão que acompanha os desfiles na Marquês de Sapucaí .

Portela trouxe um carro que prestou uma homenagem ao rio doce, fazendo uma crítica
Reprodução/TV Globo
Portela trouxe um carro que prestou uma homenagem ao rio doce, fazendo uma crítica

Um ponto alto do desfile foi o carro "Um rio que era doce", que fez uma homenagem ao rio doce, mostrando muita lama, e assumindo um tom de protesto e de sensibilidade.

Leia também: Acidente em carro da Unidos da Tijuca deixa feridos na Sapucaí

Outro destaque foi o imenso carro abre-alas que deu início ao desfile com muito dourado e a águia da portela na ponta. Ele veio à avenida logo após a comissão de frente, que representou Piracema.

O carro abre-alas da Portela era imenso, dourado e serviu para preparar o público para o show que estava por vir
Reprodução/TV Globo
O carro abre-alas da Portela era imenso, dourado e serviu para preparar o público para o show que estava por vir

Além disso, no carro "Samba em oração", foi feita uma homenagem a Marcos Falcon, presidente da escola, que foi assassinado a tiros na zona norte do Rio, em setembro do ano passado. Na alegoria, anjos estenderam bandeiras com o rosto de Falcon.

Leia também: Unidos da Tijuca fala de encontro mágico na música e tem problemas na Sapucaí

Maré ruim na Sapucaí

A escola entrou na avenida logo após a Unidos da Tijuca, escola que sofreu um acidente grave com um dos carros, deixando mais de dez feridos. Logo, a Portela teve a responsabilidade de não só mostrar "um rio que passou em sua vida", mas também de ser uma onda que leve toda a "maré ruim" que tem tomado a segunda noite de carnaval no Rio. Missão cumprida.