"Não digo que as artistas não têm paixão, mas sou dessa opinião", afirma Ariellen Domiciano, da Nenê de Vila Matilde


Vinte e seis anos, 59 Kg, 1,67m ("sou baixinha") e um longo histórico no carnaval paulista. Essas são algumas características de Ariellen Domiciano , rainha de bateria da Nenê de Vila Matilde. A modelo, aliás, faz sua estreia no posto da agremiação este ano. Em 2014, Ariellen foi destaque de chão. Antes, desfilou dois anos pela Camisa Verde e Branca e, em 2013, foi eleita rainha do carnaval de São Paulo.

Apesar de representar escolas paulistanas, cresceu no carnaval do litoral. "Venho da baixada, fui rainha do carnaval de Santos, de Cubatão", relembra Ariellen, que tem uma pasta com todas as reportagens nas quais saiu, mostrando um pouco de sua atuação no carnaval, que começou aos 12 anos de idade.

CONFIRA AS NOTÍCIAS DO CARNAVAL 2015 EM NOSSA PÁGINA ESPECIAL

Se não estiver com boa preparação, vai passar vergonha”

Rainha de bateria

Por ter começado cedo sua conexão com a tradicional festa brasileira, Ariellen é mais uma rainha de bateria que defende que o posto precisa ser de alguém da comunidade e não de celebridades.

"Não digo que as artistas não têm paixão, mas sou dessa opinião. Tem que dar ênfase para as meninas que crescem dentro da comunidade, porque a gente vive isso o ano inteiro. Falo por mim, cresci no samba. Acompanho minha avó desde os 12 anos de idade, assumi pela primeira vez o posto à frente de uma bateria aos 16 anos de idade, e a gente cresce com esse sonho. Acho que as escolas deveriam dar mais valor", desabafou Ariellen, que disse já ter sofrido preconceito por não ser da comunidade da Nenê, mas ter assumido um posto de grande destaque.

"Nasci em Santos, não sou de São Paulo, então surge um pouco de preconceito por não ser daqui. Mas para você gostar de samba, não precisa exatamente ser da Nenê. Aos poucos subi a serra e poder fazer parte de uma escola com tradição é muito gratificante. E é uma responsabilidade muito grande", afirmou.

Para driblar tal preconceito, Ariellen faz questão de saber cada detalhe da escola e toda sua história. "Me interesso, gosto muito, leio muito sobre a escola", contou a modelo, que aproveitou para destacar algumas virtudes que acha essencial para quem assume o posto de rainha de bateria. "Tem que ter samba no pé, postura, paixão, amor, tem que se entregar. Tem o lado burocrático, se preparar o ano todo. Tem que ter elegância, saber se portar, ter noção do que é, entender a história do samba. Não é fácil. Mas quem gosta, faz com muito amor."

Curta a fanpage do iG Gente no Facebook e receba as últimas notícias nos famosos

Além de ser rainha, sou dona de casa, lavo, passo e cozinho”

Fora da avenida

Neste período de carnaval, Ariellen bloqueia sua agenda profissional para focar apenas no evento. O desbloqueio acontece logo depois e a modelo volta a fazer seus trabalhos, como catálogos, comerciais, gravações de clipes e, principalmente, participações no programa "Legendários", da Record.

Ariellen é assistente de palco do porgrama há três anos, desde quando se mudou para São Paulo, pouco antes de se casar. "Venho gravando com eles todo esse tempo. Quando acontecem os quadros, faço participação, as brincadeiras, eles me chamam", explica.

Pode ser que em seu retorno para os trabalhos nas telinhas Ariellen apareça um pouco mais magra. Isso porque a modelo acaba perdendo peso por causa da correria com os eventos e ensaios, mesmo seguindo uma dieta regrada e frequentando a academia três vezes por semana.

"Carrego lanchinhos, porque não dá para parar e se alimentar. E ele me acompanha junto, na correria, emagrece junto. E a gente fica nessa correria", afirmou Ariellen, apontando para seu marido, que acompanha cada um de seus passos.

"Além de ser rainha, sou dona de casa também, recém-casada, faço tudo em casa, lavo, passo, cozinho, deixo as coisas dele passadas, cuido do babyliss. A gente se vira nos trinta", conta a modelo aos risos.

Segredo na avenida

Além de desfilar pela Nenê de Vila Matilde na madrugada de sábado (14), Ariellen também vai representar, no dia seguinte, a escola pela qual iniciou sua história no carnaval, a Mocidade Amazonense, em Santos. Para suportar a correria e os 70 minutos na avenida durante o desfile no Grupo Especial, Ariellen conta que só há um segredo: a resistência adquirida nos ensaios.

"Vejo a respiração, começo a respirar direito. Em casa, coloco o samba-enredo e vou sambando. Quando a gente cansa, tem os truques. Cansou, faz um charme, vai até a galera, dá um tchau, vira de novo e volta. Mas o segredo está na resistência. É como um atleta que treina para a competição", conta.

O foco nos ensaios não é apenas pelo lado físico. "A gente tem que sambar, respirar sem ficar ofegante, cantar o samba-enredo, dar entrevista no meio da avenida e ainda sair musa. Se não estiver com boa preparação, vai passar vergonha."

Ariellen Domiciano, rainha de bateria da Nenê de Vila Matilde
André Giorgi
Ariellen Domiciano, rainha de bateria da Nenê de Vila Matilde