Pelo segundo ano no posto da escola carioca, a gata que fez história no samba revela que já pensa em aposentadoria

Ana Paula Evangelista sustenta hoje o título de uma das brasileiras mais importantes fora do País como representante do carnaval. Durante todo o ano, a modelo, que mora em Milão, roda nas principais folias do mundo e mostra o samba no pé e o corpão que Deus lhe deu. Quando chega dezembro, intensifica a dieta, arruma as malas e firma os pés na sua grande paixão: a Marquês de Sapucaí, no Rio de Janeiro.

Curta a fanpage do iG Gente no Facebook e receba as últimas notícias nos famosos

É pela Unidos da Tijuca que Ana Paula desfila como musa. Este, aliás, é o segundo ano seguido no posto. Foi a escola que, segundo ela, estendeu a mão no momento em que mais precisou. Em 2014, depois de meses no posto de rainha de bateria da Mocidade Independente de Padre Miguel, Ana Paula foi destronada para que Mariana Rios assumisse o cargo. Sem entender nada, aceitou o convite da Tijuca, entrou imponente na passarela do samba e comemorou o título de campeã do carnaval carioca.

"Era um sonho (ser rainha), mas para mim é como se eu tivesse realizado. Fiquei sete meses coroada, recebendo o carinho da comunidade, dos ritmistas, participando de todos os eventos. Quando você gosta mesmo de carnaval e é sambista, o dia do desfile não é o que mais importa. O que importa é o pré-carnaval, é onde a gente se dedica, conquista amigos, constrói praticamente uma família. Por isso que é como se eu tivesse sido a rainha", disse ao iG em ensaio exclusivo no barracão da Tijuca, na Cidade do Samba.

Em 2015, além da Tijuca, Ana Paula passa pela Sapucaí no Grupo de Acesso com a Unidos de Padre Miguel no posto de… rainha! "A resposta veio muito rápido, porque a mesma comunidade que me elegeu para ser rainha da Mocidade, me chamou de volta para ser rainha da Unidos de Padre Miguel. Vários ritmistas que tocam na Mocidade também tocam na Unidos. A comunidade provou, de novo, que eu era a rainha deles", disse emocionada.

Nascida em Padre Miguel, a modelo - que tem 62kg muito bem distribuídos em 1,68m - comentou a eleição de Claudia Leitte para o almejado posto na Mocidade. "Foi uma jogada de mídia. É um momento que a escola está passando, precisava mesmo de uma jogada dessas… Sou sempre a favor das rainhas de comunidade, mas já que eles estavam precisando de mídia e ela tem esse retorno, foi uma boa opção", falou.

Ela continuou: "Essa questão de escola do coração é complicado. A resposta é onde seu coração está se sentindo bem. E hoje meu coração está na Tijuca e na Unidos de Padre Miguel porque foram as escolas que me abraçaram. Sou uma pessoa que não guarda mágoa."

Samba no pé

Ana Paula começou a frequentar quadras aos 10 anos. Com a família fora do samba, o jeito foi pegar carona com amigas. Logo se apaixonou pelo samba e colocou como meta se tornar passista. Em 2000, o Salgueiro foi a primeira agremiação a dar uma oportunidade para seu sonho. "Queria muito desfilar como passista, mas o dono da escola não deixava porque dizia que eu era muito bonita e tinha que desfilar no carro (risos). Eu não entendia de forma nenhuma. Mas ia, né? Contra minha vontade, mas ia. Até que ele me deixou entrar para o grupo de passistas-show do Salgueiro. Isso foi em 2003", contou.

Ana Paula Evangelista
Maíra Coelho/O Dia
Ana Paula Evangelista

Em 2004, Ana Paula participou do concurso Rainha do Carnaval do Rio e, para sua surpresa, faturou o primeiro lugar. O sucesso foi tanto que ela garantiu, no ano seguinte, o bicampeonato. Quando estava terminando o reinado, no fim de 2006, a Tijuca foi a primeira escola que convidou Ana Paula para desfilar como musa. "O primeiro ano foi um sucesso. Fiquei na Tijuca como musa e recebi convites de outras escolas. Passei pela Portela, Vila Isabel e Mocidade, como musa também."

Na verde e branco ela permaneceu por três anos até ser destronada. "Eu estava presente sempre nos ensaios, nasci ali, sou sambista, sou conceituada no mundo do samba… Mas daí, quando fui eleita para o cargo de rainha, aconteceu tudo aquilo que vocês já sabem. Eu saí da Mocidade, mas acho que tudo tem um porquê. Deus sabe de todas as coisas. Logo depois a Tijuca me chamou, me estendeu a mão, e nós fomos campeões. Estou muito feliz onde estou."

Vida em Milão

A Europa virou morada fixa para Ana Paula quando ela se divorciou, em 2008, e se mudou para Milão, na Itália. Por lá, consolidou carreira como passista-show e durante o ano é chamada para vários carnavais pelo mundo. Suíça, Inglaterra, Angola, Canadá, entre outros estão no roteiro.

"Sinto muita saudade do Brasil, principalmente da família. Minha mãe sempre ia e ficava um bom período comigo lá. Mas agora ela está cuidando da minha sobrinha, de quem não consegue ficar longe. Ela largou a filha lá na Europa para cuidar da netinha aqui (risos). Ano passado até tentei voltar, mas as oportunidades que tenho aqui não são como as oportunidades que tenho lá. Aqui sou conhecida e reconhecida no mundo do samba, mas às vezes a gente acaba mais dando do que recebendo. Nosso trabalho é mais valorizado no exterior. E lá eu tenho a chance de trabalhar não só como dançarina, mas também como modelo."

Aposentadoria?

Hoje com 33 anos, Ana Paula é grata a tudo que o samba lhe deu, mas admitiu ao iG que planeja - para breve - sua aposentadoria. "Tenho a intenção de encerrar minha carreira de sambista na Tijuca. Não vou te dizer quando, mas não pretendo ter uma vida tão longa no carnaval. O que eu tinha que realizar, já realizei e estou satisfeita onde estou", falou.

"Eu amo samba, mas a vida fica uma loucura. Acaba faltando tempo para estudar, para ter um trabalho fixo… Minha mãe quer um neto e fica me perturbando… (risos). Ela também fica muito preocupada com o futuro, porque deixei minha faculdade de direito para me dedicar ao carnaval", disse.

Enquanto a aposentadoria não vem, é bom a gente aproveitar para babar pela musa. Ana Paula revelou que sempre chamou atenção com o corpão: "Modéstia à parte, sempre fui muito cobiçada, desde a adolescência. Sempre chamei bastante atenção, mas na verdade não é uma coisa que eu goste tanto. Sou meio tímida. Sou atriz, para quem não sabe, mas só entrei no teatro para soltar um pouco a timidez e também para trabalhar com dança nos musicais, porque sou dançarina de show profissional."

Como explicar, então, a mulher poderosa e cheia de brilho que atravessa a Sapucaí? "É uma personagem que encarno na avenida. É como se incorporasse um personagem e me soltasse totalmente. No dia a dia, se você me flagrar na rua perto de casa, vai me ver de vestido longo, de óculos de grau, mais discreta mesmo", garantiu.

Ana Paula Evangelista no barracão da Unidos da Tijuca
Maíra Coelho/O Dia
Ana Paula Evangelista no barracão da Unidos da Tijuca


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.