ver novamente

Estação Primeira de Mangueira

Compartilhar:
Nome GRES Estação Primeira de Mangueira
Fundação 28/04/1928
Posição em 2011 7ª Colocada
Enredo "Cuiabá, um paraíso no centro da América"
Carnavalesco Cid Carvalho
Intérprete Luizito, Zé Paulo Sierra, Ciganerey e Vadinho Freire
Cores Oficiais Verde e rosa
Mestre de bateria Ailton Nunes
Ordem do desfile Segunda escola a desfilar na segunda noite: 11 de fevereiro de 2013 (Segunda-feira)
Leia mais sobre a escola

Últimas Notícias

    Todas as notícias

    A ESCOLA

    História

    A Mangueira foi criada a partir da fusão de cinco blocos e um rancho carnavalesco, todos do morro que tem esse nome e fica na zona norte do Rio. Entre os fundadores, o mais famoso é Angenor de Oliveira, o Cartola, autor de “As Rosas Não Falam” e “Alvorada”, entre outras canções. A escola se tornou Estação Primeira porque, na época, a estação de trem do bairro era a primeira onde havia samba, a partir da Central. A escola se tornou celeiro de compositores – Carlos Cachaça e Nelson Sargento são outros exemplos – e hoje é considerada a mais popular do Rio. Seu intérprete mais famoso foi Jamelão (1913-2008). Em 2011, a verde e rosa homenageou Nelson Cavaquinho no enredo “O Filho Fiel, Sempre Mangueira”e foi a terceira colocada do carnaval, com 297,2.

    Samba-enredo 2013

    Cuiabá, um paraíso no centro da América
    Compositores: Igor Leal, Lequinho, Junior Fionda e Paulinho Carvalho

    Dai-me inspiração, oh Pai!
    Pois em meus versos
    quero declamar
    A capital da natureza, eternizar
    Embarque na Estação Primeira
    O mestre a nos guiar
    Bambas imortais, o eldorado
    dos antigos carnavais
    Num relicário de beleza sem igual
    Fonte de riqueza natural
    Cidade formosa...Verde...Rosa
    Teu nome reluz,
    Vila Real do Bom Jesus

    O apito a tocar preste atenção!
    Mistérios e lendas de assombração
    Segui com coragem,
    mostrei meu valor
    É a Mangueira a todo vapor


    Em cada lugar, um
    "causo" que o povo contou
    Em cada olhar, na arte
    num poema brilhou
    Um doce sabor,
    tempero pro meu paladar
    Procure seu par a
    festança já vai começar
    Na bênção de São Benedito eu vou
    Dançar com o meu amor, o sonho
    enfim chegou
    Ao paraíso, emoldurado
    em cintilante céu azul
    Bendita sejas terra amada!
    O coração da América do Sul
    É hora de darmos as mãos
    Agora seguir a missão
    Sustentar na mesma direção

    Mangueira...O trem da emoção
    Viaja na imaginação
    Meu samba é madeira, é jequitibá
    É poesia dedicada a Cuiabá

    Títulos

    A escola foi campeã do Grupo Especial 18 vezes: 1932, 1933, 1934, 1940, 1949, 1950, 1954, 1960, 1961, 1967, 1968, 1973, 1984 (uma no desfile normal, no domingo, e outro na semana seguinte, como supercampeã, título disputado com a Portela), 1986, 1987, 1998 e 2002, sendo a última com o enredo (Brazil com 'Z' é para Cabra da Peste, Brasil com 'S' é a Nação do Nordeste”.

    Rainha de bateria