Com Juliana Paes como estrela, escola entrou na Sapucaí para contar a história da cultura da raça negra no Brasil

A forte chuva que caiu sobre o Rio de Janeiro na noite deste domingo atrapalhou o início dos desfiles no Rio de Janeiro. De volta ao Grupo Especial depois de quatro anos, a Viradouro entrou na Sapucaí com mais de 30 minutos de atraso para dar início ao carnaval da cidade em 2015. 

E mais:  Musa da Viradouro, Carol Nakamura não se importa com a chuva: "Melhor que calor"

Com o enredo "Nas veias do Brasil, é Viradouro em um dia de graça", a intenção foi a de levar ao público as origens da cultura dos negros e a contribuição deles para a história do Brasil. Um abre-alas, por exemplo, remeteu à savana africana.

Leia mais: Eduardo Paes exalta presença de atletas na Sapucaí: "Viva o Rio Olímpico"

Também houve lembrança ao baobá, árvore sagrada dos africanos, e uma alegoria que representou a ama de leite, a mãe negra que amamenta uma criança branca. Na parte final da apresentação, na parte de trás do último carro, o braço de uma escultura de um anjo negro quebrou.

Veja ainda:  Chuva compromete fantasia, mas Juliana Paes brilha à frente da Viradouro

Antes disso, um integrante do carro 4 não desfilou. Ele iria na parte de cima do carro, que superlotou. Outra mudança de planos aconteceu quando os componentes de uma ala que estava com as cores do Brasil tiraram os chapéus. A hamonia preferiu que eles utilizassem só o guarda-chuva.

O desfile contou ainda com a participação na avenida de um trio de tenistas: o ex-atleta brasileiro Gustavo Kuerten e os espanhóis Rafael Nadal e Davi Ferrer.

*Com informações do repórter Paulo Ricardo Diniz

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.