Escola tetracampeã do grupo especial usou o baralho como enredo de 2015, mostrando jogos e ilusionismo na avenida

Com sua torcida dominando as arquibancadas do Sambódromo do Anhembi, a Gaviões da Fiel foi a segunda escola a desfilar na avenida, no segundo e último dia de carnaval em São Paulo. Buscando seu quinto título, a aposta da agremiação corintiana foi o baralho: "No jogo enigmático das cartas, desvendem seus mistérios e façam suas apostas, pois a sorte está lançada".

O samba-enredo explorou com maestria e originalidade a popularidade das cartas, como adivinhação e jogos de azar, mas também a presença na literatura, no cinema e nos truques de mágica. Alguns componentes da Gaviões fizeram ilusionismos para impressionar o público.

Um dos destaques da apresentação foi o curinga, carta que é considerara um elemento surpresa do baralho - a bateria da escola, inclusive, se vestiu do personagem Coringa, inimigo do Batman. Além disso, ele remete a Coringão, um dos apelidos do Corinthians. "Quem dá as cartas é o Coringão", dizia a letra do samba.

Como de costume, a madrinha de bateria Sabrina Sato deu um show à parte, bem como as irmãs Tati e Ana Paula Minerato, rainha e musa da bateria, respectivamente. E elas passaram por alguns apuros algumas horas antes do desfile, já que tiveram parte de suas fantasias roubadas e tiveram que improvisar para poder participar.

O desfile da Gaviões terminou no limite, em cima dos 65 minutos regulamentares.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.