Última escola a se apresentar no carnaval paulistano abordou o tema usando orixás e um carro com 2 mil toneladas de lixo

Em meio a maior  crise hídrica  da história da cidade de São Paulo, a X-9 Paulistana encerrou os desfiles do carnaval no Sambódromo do Anhembi falando, justamente, de chuva. A ideia do tema, porém, não tem a ver com a seca na capital paulista, mas sim pelo forte temporal que atingiu a quadra da escola em 2014.

"Sambando na chuva, num pé d' água ou na garoa. Sou a X-9 numa boa" é o nome do samba-enredo, que falou da chuva usando orixás relacionados às águas, ao vento, aos trovões e ao arco-íris. Oxum, Xangô, Iansã e Oxumarê estiveram na avenida.

Um dos pontos altos da apresentação da X-9 foi o carro com a estátua de São José, muito solicitado no sertão. A imagem de 7 metros de altura estava rodeada por romeiros. A alegoria com 2 mil toneladas de lixo também chamou a atenção dos espectadores. 

Gracyanne Barbosa, Rainha de Bateria, recebeu muitos elogios  e disse que não se importa com as críticas a seu corpo. "Estou super feliz . É meu estilo de vida. Não malho pra ficar gostosa, sarada. Malho porque gosto. Então não me importo com a críticas. Eu sei bem o que eu quero ", afirmou .

A previsão era de chuva durante o desfile da X-9, mas a apresentação da escola da Zona Norte foi sem água e com sol nascendo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.