Foram muitos os elementos nipônicos, desde a madrinha de bateria até um carro alegórico trazido diretamente do Japão

Apesar de ser uma das mais tradicionais escolas de samba de São Paulo, a Águia de Ouro nunca foi campeã do carnaval paulistano. E para buscar o inédito título no grupo especial, a agremiação apostou na grande celebração de dois povos amigos: "Brasil e Japão: 120 anos de união".

Veja também:
Mancha Verde abre o carnaval de São Paulo com alfinetada a Paulo Nobre
Acadêmicos do Tucuruvi anima o Anhembi com marchinhas e muito Rio de Janeiro
"Adrenalina" da Tom Maior mexe com a imaginação do público em São Paulo
Acredita em duendes? Dragões da Real mostra na avenida que tudo é possível
Dessa vez sem chuva, Rosas de Ouro leva o encanto dos contos de fadas à avenida

Foram muitos os elementos tipicamentes nipônicos, a começar pela madrinha de bateria, a bela Miku Oguchi, japonesa de nascimento e com o samba afiado. A escola ressaltou o taiko, tambor oriental típico, em sua bateria, e contou também com um enorme carro alegórico trazido diretamente do Japão, destaque do tradicional Tachi Neputa, festival da cidade de Goshogawara.

Como a cultura japonesa é bastante ampla, os principais temas abordados foram os mangás, histórias em quadrinhos feitas no país, a tecnologia, a fé e a superstição. Foram cerca de 550 descendentes e 100 japoneses legítimos distribuídos nas alas do colorido desfile.

No meio de muitas mulheres bonitas, uma das grandes atrações ficou por conta do ex-jogador Zico , conhecido por desenvover o futebol no Japão nos anos 90 e tratado como ídolo por lá. Embaixador da Águia de Ouro, ele apareceu no último carro alegórico para fechar com chave de ouro. Porém, o carro de apoio de Zico atropelou uma pessoa na avenida, sem gravidade. Outro imprevisto aconteceu quando duas passistas brigaram no meio do desfile.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.